Navegação – Mapa do site
Obituários

Francisco Costa Pereira: um homem bom. Um intelectual. Um amigo, e um mentor (1946-2016)

Jorge Veríssimo

Texto integral

Introdução

1Como todas as vivências, a vida de Francisco Costa Pereira intersetou-se com a vida de muitas pessoas e instituições.

2No que se refere a pessoas, foram muitas as que, nas encruzilhadas da vida, tiveram o seu apoio ou conselho amigo.

3Quanto às instituições, o Francisco Costa Pereira ficará na história de algumas. Na ESCS, que conheço bem, ficará a evidência de um investigador, mas também a de um homem de valores, extremamente honesto e respeitador, humano e disponível, mas exigente e rigoroso. Estes princípios, valores primeiros da instituição militar, terão sido interiorizados por via da sua formação castrense.

4O outro grande legado do Francisco será o cunho da persistência e do rigor, que marcou a minha geração de docentes e investigadores nas áreas da comunicação, organizacional e comportamental.

Percurso

5O Francisco Costa Pereira nasceu no Alentejo, em Marvão, a 10 de julho de 1946. Cresceu e fez a escola primária em Portalegre, cidade onde o pai, militar da Guarda Fiscal, estava colocado. Terminada a instrução primária, entrou, com 10 anos, para o Instituto dos Pupilos do Exército – circunstância habitual na época para os filhos dos militares, particularmente para aqueles que viviam na província.

6Acabado o ensino secundário naquela instituição, concorreu para a Escola Naval e concluiu, com sucesso, o curso de Engenheiro Maquinista Naval. Tal ocorreu em plena guerra colonial e, pouco tempo depois, o Francisco foi enviado para África, para várias missões em Angola, Cabo Verde e Moçambique. Com frequência contava-me várias “estórias” e peripécias dessa fase da sua vida, que coincidiu depois com a revolução de Abril. Aí, regressou definitivamente a Lisboa, aquando da independência de Moçambique, para prosseguir a sua carreira militar.

7Apesar de se perspetivar uma interessante e promissora carreira profissional como oficial da Marinha de Guerra Portuguesa, não se acomodou. Havia nele um outro apelo, senão mesmo uma vocação, que tinha, também, um teor de curiosidade: a psicologia. Queria conhecer a mente e o comportamento humano! Desta forma, e em regime pós-laboral (depois de um dia de trabalho num navio, ou no Arsenal do Alfeite, onde tinha responsabilidades acrescidas), concluiu o curso de licenciatura em Psicologia, no Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA).

8Simultaneamente, interessou-se pelas matérias e pelas complexidades das ciências da comunicação como campo aplicado da psicologia organizacional. Começou por integrar projetos de consultadoria e formação nas áreas de gestão, comunicação e comportamento organizacional, e foi nesta condição que foi convidado a leccionar Psicologia da Publicidade, Comportamento do Consumidor e outras unidades curriculares da área comportamental e organizacional na Escola Superior de Comunicação Social (ESCS).

9O Francisco Costa Pereira decidiu, depois, abandonar a efetividade de funções na Marinha de Guerra Portuguesa e dedicar-se em exclusivo ao ensino e à investigação na ESCS, apesar de continuar muito ligado à instituição militar. Foi, até à sua aposentação, em 2010, professor no Instituto Superior Naval de Guerra, e, posteriormente, no Instituto de Estudos Superiores Militares (IESM), instituição criada em agosto de 2005 e que integrou as funções dos então extintos Instituto de Altos Estudos Militares (Exército), Instituto Superior Naval de Guerra (Marinha) e Instituto de Altos Estudos da Força Aérea (Força Aérea).

10Ainda no Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), conclui o mestrado em Comportamento Organizacional. Cinco anos depois, em 1999, na Universidade de Provence, obteve o doutoramento em Psicologia Organizacional, com a classificação de distinção e louvor.

O Professor

11O Francisco Costa Pereira teve um papel determinante no desenvolvimento da Escola Superior de Comunicação Social (ESCS), quer ao nível organizacional e de gestão, quer ao nível pedagógico e científico.

12No que concerne à primeira vertente, foi, durante vários anos, presidente da Assembleia de Representantes, órgão de supervisão das atividades de gestão do então Conselho Diretivo. Nesta qualidade, mais do que o seu papel de supervisor eram reconhecidos os seus contributos para a eficácia e a eficiência da gestão. Recorde-se que era apologista de um modelo de gestão aberta e participativa.

13O Francisco assumiu, também, a gestão do então departamento de Comunicação Organizacional, e, por inerência, a direção do curso de licenciatura em Relações Públicas, tendo um papel determinante nas várias restruturações/atualizações deste.

14Quanto à componente pedagógica, recordo o contributo fundador, o conhecimento e o entusiasmo que colocou na criação dos mestrados na ESCS aquando da implementação do Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de março (conhecido como o Processo de Bolonha). Esse contributo estendeu-se à liderança e à coordenação de um doutoramento em Comunicação Social atribuído pela Universidade Complutense de Madrid que decorreu em Lisboa, na Escola Superior de Comunicação Social, na década de 2000.

15O Francisco Costa Pereira fez ainda parte da equipa de docentes da ESCS e do ISCTE-IUL que criou, sob a coordenação de José Rebelo, o atual doutoramento em Ciências da Comunicação atribuído pelo referido instituto universitário em parceria com a escola.

16Acima de tudo, o Francisco foi um docente altamente elogiado e apreciado pelos alunos, que reconheciam a sua competência e o seu método de alto rigor e exigência.

O Investigador

17Além das aulas, a atividade que fascinou particularmente o Francisco Costa Pereira e aquela a que se dedicou com maior paixão foi a investigação. Participou em projetos que envolviam as áreas da criatividade organizacional, das representações sociais, do comportamento do consumo e do consumidor e da publicidade. Alguns destes projetos estavam integrados em centros, como o Centre National de Recherche Scientifique – Laboratoire Méditerranéen de Sociologie (LAMES), sob a égide do Prof. P. Vergés; outros foram coordenados por investigadores como Annamaria De Rosa, Celso Pereira de Sá ou Ismael Quintanilla.

18Apresentou comunicações em vários congressos e seminários internacionais, como a International Conference of Social Representation, o Congresso Inter-Americano de Psicologia ou o Annual Colloquium on Economic Psychology (IAREP). Também publicou e coordenou várias publicações, como Representação social do empresário (Lisboa: Sílabo, 2001) ou Gestão estratégica de comunicação de crises (Lisboa: Sílabo, 2006).

19Neste percurso surgiu a publicidade, que foi a área científica à qual consagrou mais tempo e da qual resultou uma maior produção científica da sua parte. Este interesse levou-o a idealizar a criação de um centro de investigação, projeto ao qual tive a honra de pertencer e que se materializou na criação do Observatório da Publicidade, em 2001, no âmbito das competências do então Instituto do Consumidor e com o apoio do Conselho Diretivo da ESCS.

20À época, reunimos uma equipa de excelência, com outras cinco jovens docentes da ESCS: a Sandra Miranda, a Rosário Correia, a Carla Medeiros, a Helena Pina e a Sílvia Cardoso. A nós juntaram-se jovens estagiários, sempre alunos ou ex-alunos da ESCS.

21Ao longo de uma década efetuámos dezenas de estudos, proferimos várias comunicações em fóruns científicos nacionais e internacionais e publicámos vários artigos e livros. Deste trabalho é de destacar a publicação, em 2004, do livro A publicidade, o estado da arte em Portugal (2004), pelas Edições Sílabo.

22Terei sido, nesses dez anos, quem, profissionalmente, mais terá acompanhado o percurso do Francisco Costa Pereira. E é com muita saudade que recordo os muitos e bons momentos que passámos juntos – desde as reflexões e os estudos desenvolvidos até às apresentações dos respetivos resultados em várias conferências internacionais (como nas International Conferences on Research in Advertising (ICORIA) ou nos congressos da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação (SOPCOM), da Federação Lusófona de Ciências da Comunicação (LUSOCOM) ou da International Association for Research in Economic Psychology (IAREP)).

23Lembro o profissionalismo, a generosidade e o entusiasmo que dedicou à organização da 6th International Conference on Research in Advertising (ICORIA), da European Advertising Academy, que decorreu entre 28 e 30 de junho de 2007, na ESCS. Desta conferência resultou a publicação do livro New trends in advertising research, pelas Edições Sílabo, em 2008 – obra que reunia as mais relevantes investigações apresentadas nessa conferência e perspetivava as tendências da investigação em todas as áreas da publicidade e do marketing.

24Com base no trabalho desenvolvido no Observatório da Publicidade, o Francisco Costa Pereira orientou várias dissertações de mestrado e teses de doutoramento. Foram vários os estudantes que beneficiaram dos seus conhecimentos, do seu rigor metodológico. Aliás, o Francisco era um reconhecido académico nas áreas das metodologias de investigação. Foi, também, o entusiasmo pela investigação em publicidade que o levou a dinamizar o Grupo de Trabalho (GT) de Publicidade e Comunicação, no âmbito da SOPCOM, e do qual foi o primeiro presidente: um “grupo de trabalho que congrega investigadores, docentes e profissionais, provenientes de diferentes áreas teóricas que exerçam funções no domínio da comunicação publicitária com interesses comuns”. O objetivo era estudar todas as dimensões que envolvem a comunicação publicitária. O Francisco foi, ainda, o mentor das Jornadas de Publicidade deste GT, que continuam a decorrer periodicamente em várias instituições de ensino superior nacionais e onde são apresentadas e discutidas as ultimas investigações e as mais recentes tendências da publicidade.

25Pode dizer-se que os interesses e os domínios científicos do Costa Pereira eram infindáveis. Recordo a paixão que durante anos empregou na liderança do projeto Poliempreende, em representação Instituto Politécnico de Lisboa. Foi graças ao seu entusiasmo que este projeto aconteceu.

26A opção pela reforma, prematura na minha opinião, fez com que não concluísse o mandato de presidente do Conselho Técnico-Científico da ESCS (cargo para o qual havia sido eleito, por unanimidade, em 2010).

27O Francisco prosseguiu, ainda, a carreira de docente e investigador na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, até que uma doença hedionda o impediu de fazer aquilo de que mais gostava: ensinar e investigar. E, acima de tudo, não o deixou concretizar o mais ambicionado sonho: simplesmente viajar com a São, a esposa!

Conclusão

28Francisco Costa Pereira foi, acima de tudo, um homem bom! Um amigo, um confidente, um conselheiro, um mentor. Um homem sério e despretensioso, que colocava os interesses institucionais acima de qualquer benefício ou vantagem pessoal.

29Foi também um intelectual discreto, que não precisava de se colocar em “bicos de pés” para ser ouvido. Era obstinado no seu trabalho, é certo, mas tal conferia-lhe o conhecimento e a legitimidade para se pronunciar, sem receios, nas mais diversas matérias das ciências sociais.

30Fica a saudade de um amigo que acompanhei em quase 25 anos, e com quem podia contar. Nos bons e nos maus momentos!

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Jorge Veríssimo, « Francisco Costa Pereira: um homem bom. Um intelectual. Um amigo, e um mentor (1946-2016) », Comunicação Pública [Online], Vol.11 nº 21 | 2016, posto online no dia 15 Dezembro 2016, consultado o 29 Junho 2017. URL : http://cp.revues.org/1298 ; DOI : 10.4000/cp.1298

Topo da página

Autor

Jorge Veríssimo

jverissimo@escs.ipl.pt

Escola Superior de Comunicação Social
Instituto Politécnico de Lisboa

Campus de Benfica do IPL

1549-014 Lisboa

Portugal

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Escola Superior de Comunicação Social
  • Revues.org