Navegação – Mapa do site
Recensões

Sampedro, Víctor (2015). O quarto poder em Rede. Por um jornalismo (de código) livre. Lalín, Pontevedra: Abooks, (254 páginas). ISBN: 978-84-15045-51-9

Cristina Renedo Farpón
Referência(s):

Sampedro, Víctor (2015). O quarto poder em Rede. Por um jornalismo (de código) livre. Lalín, Pontevedra: Abooks, (254 páginas). ISBN: 978-84-15045-51-9

Texto integral

1Víctor Sampedro, catedrático de opinião pública e comunicação política na Universidade Rey Juan Carlos, de Madrid, apresenta neste livro uma análise detalhada do jornalismo atual. Partindo desse exercício, projeta um cenário de renovadas possibilidades informativas, muito alicerçadas no potencial tecnológico, que recoloca a premência do jornalismo como prática que aspira ao bem comum. Nos exemplos que vai trazendo ao longo do texto, documentando as atividades dos hacktivistas como Julian Assange, Chelsea Manning ou Edward Snowden - protagonistas e propulsores dos últimos casos de fugas de informação -, Sampedro reflete sobre o controlo e o poder da informação num contexto de crise jornalística, mudança social e revolução tecnológica.

2O livro é composto por cinco capítulos complementares, que podem ler-se de maneira independente, e estrutura-se em torno do caso ‘Wikileaks’ e da sua influência num novo jornalismo pós-industrial, que deverá transformar os meios de comunicação.

3No primeiro capítulo, discute a importância primordial do jornalismo, como garante efetivo de uma prática democrática e potenciador de uma opinião pública pluralista. No atual contexto de crise, no qual vigora a rentabilidade económica, surge o Wikileaks para recuperar o espírito da ‘idade de ouro’ do jornalismo, devolvendo o ofício a uma idealização primordial. Do mesmo modo, propõe uma atividade ética, que contribui com dados e utiliza ferramentas livres, com a credibilidade e o prestígio para levar a cabo a sua tarefa com transparência (apesar da oposição da imprensa a atividade destes hacktivistas).

4Na sequência do anterior é alicerçado o foco do segundo capítulo, em que o autor aborda a campanha de desprestígio dos grandes meios de comunicação contra o Wikileaks. Víctor Sampedro aprofunda a história desta organização e as implicações políticas, sociais e económicas das fugas de informação, que receberam dos grupos de poder uma resposta de criminalização.

5O terceiro capítulo centra-se na filosofia do hacker, em especial a do Wikileaks e do seu fundador, enquadrando o papel destes ativistas no contexto da modernidade como potenciadores de práticas que se corporizam em movimentos sociais. Este capítulo contextualiza por isso a figura de Assange e relata a sua implicação tecno-política por via do Wikileaks, o que forçou uma mudança nas políticas de internet que desencadearam as fugas de informação realizadas por Edward Snowden.

6O quarto capítulo mostra a situação do atual ecossistema informativo, fortemente submetido as regras do mercado, em que os meios convencionais estão constrangidos a exercerem o seu papel de escrutinadores do poder. Perante este cenário de falência do papel de vigilância dos meios, surge o Wikileaks como uma resposta efetiva do cumprimento dessa primordial tarefa. Esta parte do livro apresenta inúmeros exemplos da forma superficial como os meios de comunicação tratavam a questão das fugas de informação, realizando uma cobertura noticiosa negativa e desprestigiante para a organização em causa. De forma complementar, o capítulo propõe a necessidade de novos projetos jornalísticos em que os profissionais de comunicação e os hackers trabalhem juntos, permitindo uma desmitificação destes atores sociais, essenciais para a reconfiguração do jornalismo.

7No quinto capítulo, o académico propõe, em jeito de conclusão, as bases para um novo jornalismo, que cunha como pós-industrial. Parte do pressuposto de uma informação concebida como bem comum, elaborada a partir de um código aberto e colaborativo, que permita receber colaborações e controlo por parte da cidadania, dentro do que é o novo contexto tecnológico. O capítulo escrutina novos projetos informativos, fortemente inspirados pelo modelo Wikileaks, que reconhecem a importância da implicação do público, o que permite acalentar esperanças para o exercício da prática informativa.

8Em conclusão, esta obra traça uma reconfiguração da atividade jornalística, tomando como base a trajetória e as conquistas da organização de Assange. O livro mostra as possibilidades de um jornalismo emergente, capaz de produzir informação de uma forma articulada, abandonando uma lógica de monopólio das grandes corporações informativas. Pelo exposto, O quarto poder em Rede certamente que se constituirá como uma referência académica, na medida em que o autor repensa todo o modelo comunicativo e apresenta propostas para a sua reciclagem.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Cristina Renedo Farpón, « Sampedro, Víctor (2015). O quarto poder em Rede. Por um jornalismo (de código) livre. Lalín, Pontevedra: Abooks, (254 páginas). ISBN: 978-84-15045-51-9 », Comunicação Pública [Online], Vol.12 nº 22 | 2017, posto online no dia 30 Junho 2017, consultado o 24 Novembro 2017. URL : http://cp.revues.org/1417

Topo da página

Autor

Cristina Renedo Farpón

Renedof.cristin@gmail.com

Universidad de Valladolid
Avenida Palencia 37 5A
47010 Valladolid,
Espanha

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Comunicação Pública Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Escola Superior de Comunicação Social
  • Revues.org